Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘sentido’

Sempre a mesma indagação: O que era necessário? Querer, ele queria muitas coisas. Fosse enumerar a vastidão de seus desejos se perderia. Massacrante era discernir o necessário. Sentia uma distância entre o viver, o sobreviver e o necessário para uma vida. A questão da sobrevivência não se colocava como incômodo. Tal era de um vício inescapável que, para tal, providenciava. Incomodava-lhe saber o necessário para a sua vida. O que seria indispensável para o seu existir e para disso saber o que fazer desse existir.

Na altura de seus dezessete anos, momento de próxima a conclusão dos estudos fundamentais e às vésperas de decidir o que definiria o curso de sua vida daí em diante, Joaquim já se inquietara com essa temática. Estava sempre refletindo sobre vocação, paixão, vontade, aptidão, dom e, mais importante, o que fazer com tais. Sentia uma necessidade em não apenas viver por estar vivo. Queria da vida grandes realizações. Realizar não só para ele. Deixar feito por e para muitos. Mas o quê? Isto ele ainda não sabia.

Andava pelas ruas como se a procura do motivo, do que o faria despertar desse sono inerte, contudo inquieto, do que por fim lhe faria fazer. Fazer o quê afinal? Certo estava de uma coisa: teria que ser mais, muito mais do que vinha fazendo. O que seria então necessário para esse despertar, para essa descoberta? Sabedoria ele queria. Às vezes achava que ela seria necessária, indispensável para descobrir o que tanto o angustiava. Outras tantas vezes frustrava-se, pois seu imediatismo o cegava, o enchia de descrença lhe dizendo estar apenas a desperdiçar o tempo.

Dezoito. Era esse o número que media a sua existência. Existência do quê? Acrescentava-se mais um número que se entulhava aos anteriores. A soma do tempo nem sempre fora algo positivo para ele. Tentava relativizar o tempo, as experiências, distinguir o que fora aproveitável e se ele de fato soube aproveitar. Era permanente essa necessidade de acumular o que parecesse importante para utilizar nalguma coisa de real valor. Melhor seria dizer notável valor. Sua inquietude era tamanha que por muito lhe escapava a razoabilidade. Ânsia de chegar logo. Afã de realizações notáveis. Por fim ficava a sensação de estar sendo possuído por vaidades. Ignóbeis vaidades.

O que ele estava construindo? O que ele queria construir? Por que queria construir? E, a mais cruel: O que era necessário para construir? Eram interrogações que o enlouqueciam. Em momentos de calmaria, ele sabia que queria ser sábio. Um caminho para alcançar a sapiência estaria nos livros. Para ele, nos livros residiam respostas. Tolice. Nos livros residiam muito mais perguntas que respostas. Mas não sentia frustração. Começara a preferir as perguntas. Para quê ter respostas para tudo? Quem as julgasse ter grande mentiroso seria. Contudo essa vontade de muito saber. De saber para discernir. Separar bem.

A vida. Essa já o havia ensinado coisas diversas. E o que de fato Joaquim aprendera agora na entrada de seus vinte anos? Comer é necessário; vestir-se uma regra dita na lei; mães seres superiores; observar bem o movimento dos carros ao atravessar uma avenida; que a dor vem de muitos lugares e formas; que a injustiça simplesmente existe; boas ou más, as pessoas são apenas um amontoado de informações a que foram cercadas; que a paixão consegue de bela se fazer num monstro feio e cruel; que seu pai é seu pai e não se confunde com o de mais ninguém, ao contrário das mães, ele pode ser deus ou diabo, ou ambos; que pode ser perigoso amar; olhar o mar é tão bom quanto nele se banhar; que solidão é coisa ambígua; que a verdade não é tão benquista assim; que a música sabe todas as línguas; que os sorrisos fáceis demais são traiçoeiros; que ninguém está preparado para a morte…

Era mesmo do tipo de muito se cobrar. Joaquim tinha esse sentimento de que a vida era mesmo coisa grandiosa. Portanto não a queria desperdiçar. Era dedicado aos estudos, muito embora pouco se interessasse por algumas matérias. Assim ele cresceu escutando de seu pai a importância dos estudos, e a autoridade da palavra de seu pai bastava para ser verdade. Então esforçava-se ao máximo e estava sempre entre os primeiros de sua turma, e isso desde muito criança. Crescera habituado as pessoas esperarem muito dele, talvez daí essa pressão e exigência pesada consigo mesmo. E os estudos para ele eram coisa a que dedicava muito gosto e prazer, o que recompensava qualquer sacrifício. E assim ele seguia se domesticando o quanto fosse suportável para então ser motivo de orgulho. E conseguia. Era sempre cercado de elogios. Mas aprendera que tais elogios e honrarias não vinham gratuitamente. Apenas ele sabia o custo. Bobagem para alguém como Joaquim, era do tipo sempre disposto a sacrifícios que trouxessem expressivos resultados. Acreditava mesmo que somente através de sacrifícios e disciplina, alcança-se o que, por essa época, ele enxergaria como valido à pena. E por algo que valesse a pena ele compreendia ser a coisa pela qual se acredita e, de igual modo, pela qual se chega a um bem maior.

  Nesse afã da juventude iniciada, Joaquim sentia-se emaranhado na assustadora temática do sexo. Na realidade era deveras confusa. Seus desejos eram coisas que, por todo lugar, todos diziam como deveria ser. Era coisa de domínio público. A religião o ensinava tantas regras. Com esta ele convivia de perto e desde cedo. Ouvia de amigos, e mesmo em qualquer lugar, aquilo que era dito o normal, e que deveria ser o seu comportamento. Sentia a pressão de sentir a necessidade de ser um igual. O problema, ou poder-se-ia dizer, a virtude de Joaquim, era a de questionar. Ele estava sempre se questionando e, conseqüentemente, questionando o que lhe fora externo. Tudo o que lhe diziam, antes de qualquer conclusão, passava por interrogações. Dessa vez, as interrogações se encontravam com seus próprios desejos.

E talvez aqui comece a verdadeira inquietação de Joaquim. Talvez nesse quesito, tão íntimo, tão pessoal, tão particular, se vira confrontado com a sua necessidade que, sempre com olhos para o externo, para aquilo que de dentro – a sua existência -, faria para fora – o mundo -, ele parou e, pela primeira vez, fora tomado pelo medo, o medo de não mais querer continuar na sua busca. Quando finalmente se deparara com a distância, o verdadeiro abismo que separa o ser e o ter que ser.

Read Full Post »

Roda, roda, roda

Fácil dá uma volta

Difícil é à volta

Respira o ambiente

Tateia as sensações

Pára não sabe onde

Chega a qualquer lugar

Que pouco importa

O atraso provável

No curso daquilo

Que não faz sentido

Não penetra sem auxílio

Pena que o auxílio

Sendo ele inerente

De fato não está

Perceptível aos olhos

E como haveria de estar?

Quando tudo gira

Tudo some, se consome

Onde está a evolução?

No tocante a isto

Não há adequação

Paixão, ação, refração

Ah tendenciosidade fugaz

Essa de julgar

Uma empiria descompassada

Ah especiezinha essa

Contudo não deixa de ser

Terrivelmente fascinante

Embora teatralmente deprimente

Read Full Post »

Me pego demasiadamente introspectivo. Nenhuma clareza de momento quanto ao querer, quanto ao fazer, quanto até mesmo ao sentir. Sinto estar tomado por um estado de espírito demoníaco. Talvez o demônio seja o mais sensível dos seres. Talvez por saber da falta de sentido disso tudo aqui. Quero dizer, a vida.

Imbuído nesse emaranhado de sensações, envolto numa teia de significados e, estranhando-os, sentindo-me atônito na recusa de uma postura disciplinada, é na figura do demônio que me identifico. Este ser relegado, condenado às profundezas por atender aos instintos que lhes foram dados pelo Criador, como nos conta a história. Oras, que mal teria ele feito então, se meu raciocínio é correto? Que pecado cometeu se em sua constituição estava impresso a vaidade? Por que cargas d’água um ser perfeito, pleno em bondade, misericórdia, amor, justiça e verdade, criaria um ser capaz de querer usurpar seu trono e dominar em seu lugar, saindo assim da condição de dominado, subserviente? E por que o ser de sua criação seria culpado e acusado de nele estar todo o mal possível? Oras, não fora ele gerado pelas mãos e querer do Criador perfeito?

É com o diabo que me sinto próximo agora. Me achegando à ele vejo refletida as minhas características, as quais resumo na palavra vaidade. Nela está contido o que eu diria ser a essência partilhada entre eu e o diabo. Antipático a idéia de essência, por entender sermos muito mais construção do que natureza/essência, contudo tendente a enxergar tal semelhança entre eu e ele. Tal aproximação até me faz compreender a ira do Criador para com os humanos e a dos próprios humanos para com seus pares. Talvez eu esteja concordando com Sartre, quando disse que o inferno são os outros. Não estou certo disso. Mas estou certo que concordo em muito com o homem que matou Deus – Nieztsche – quando afirmou que ele mesmo não era um homem, mas um campo de batalhas.

Não sei… Não sei… Apenas sinto-me unido ao diabo agora. Sinto com ele partilhar as agruras dessa existência caótica, ausente de sentido claro. Sinto com ele vagar pelos vales e montes, em seus momentos de glória e de lama. Sinto nele compreender-me em pequenez, em feiúra, em bagunça, em nada, em humanidade.

Read Full Post »

Sonho

Na tristeza de um pensamento perdido
na cena de uma vida sem sentido
vejo um mundo sem ser vivido
pelo meu ser, por ti erguido
quando sonhava com a ilusão da vida.

Olho para meu confuso consciente
ainda inerte na profusão da mente
e tento comunicar a essa gente
a razão por que estou crente
crente na obsessão da verdade
de que uma noite serei eternidade.

Read Full Post »

Sem sentido

– Ah, Serenísia Mildred, você deu outro sentido à minha vida!

– Antes, eu vivia na contramão da felicidade.

– Vivia na corda bamba dos inconseqüentes.

– Navegava no Triângulo das Bermudas.

– Nadava em rio cheio de piranhas.

– Hoje, Serenísia, tenho casa, filhos, cachorro, sogra, faço compras no Carrefour, jogo Paciência às quartas, vou à igreja aos domingos, assisto novelas, o Faustão, o Gugu, o Silvio Santos, o Fantástico e vou à padaria todas as manhãs – faça chuva ou faça sol!

– Você, realmente, deu outro sentido à minha vida: eu só não imaginava que fosse um sentido tão sem sentido.

Estou sem sentido

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: